A frase “coisas boas acontecem com quem se envolve com o PMI” é famosa por atrair olhares de todos que entram em contato com o PMI logo na primeira vez. Mas, de fato, coisas boas realmente acontecem? E que coisas boas são essas?

Pode-se dizer que um dos maiores benefícios que o PMI promove à sociedade é a possibilidade de trabalho voluntário. Por ser uma ONG suportada mundialmente através desta modalidade de doação de esforços, ela carrega consigo todos os benefícios que esse tipo de trabalho proporciona.

Ser voluntário é mais que doar seu tempo a algo que se acredita. É contribuir por um propósito. É auxiliar a comunidade prestando um serviço que irá trazer inúmeros benefícios. É compartilhar o que se sabe, em troca de se aprender algo que se deseja. É fazer parte de um grupo diferenciado, onde se sente na pele a máxima que nos diz que “o universo devolve para nós o que oferecemos a ele”.

E quer mais “coisa boa” do que estar no meio de pessoas que trabalham pelo mesmo propósito que você, e por prazer? E ainda, de quebra, poder compartilhar com essas pessoas, além de conhecimento, um sentimento de amizade e coleguismo? É como voltar à infância e encontrar o seu grupo; aqueles que você vai fazer trabalho junto, vai lanchar, vai escolher pro seu time e, nos finais de semana, vai convidá-los para jogar video game em sua casa.

Fazer trabalho voluntário é estar entre os profissionais que mais compreendem o valor do seu trabalho, pois trabalham por uma realização em conjunto. E, por mais que não visem recompensa, são eles os que mais as ganham. Pois estarão em contato com profissionais semelhantes, com esse mesmo propósito. Pois trabalharão por uma causa, não por um salário. Pois verão o seu esforço se converter em feitos concretos e que contribuem para a sociedade. Pois receberão, na medida de sua doação, reconhecimento e prestígio de dentro e de fora da entidade. Tudo isso: coisas boas.

Ser voluntário do PMI fortalece, desenvolve e dignifica o profissional. E, a você que nunca trabalhou por uma causa: tente! Nada é mais gratificante que você contribuir com algo que acredita de verdade, a troco de algo muito maior, e não monetário (aliás, o cifrão é que é a raiz de muitos males, principalmente o da infelicidade na carreira – mas isso é papo para outra hora). 

Autor: Cássio Stedetn

24 de maio de 2017