O futuro foi a palavra de ordem da manhã do primeiro dia de atividades do 13o Congresso de Gerenciamento de Projetos do PMIRS, que acontece 16 e 18/11, no Centro de Eventos da PUCRS em Porto Alegre. No seu discurso de abertura, o Presidente do Capítulo, Thiago Regal, destacou a representatividade que tem o tema central do evento, Potencializando o Futuro das Organizações. "O futuro do qual vamos falar aqui é o que queremos para a sociedade, as empresas e nossa vida. Mas construir o futuro também é transformar e viver o presente que nos leve até esta realidade que queremos. Desejo que estes dias sejam inspiradores e nos levem onde queremos e onde precisamos".
 
Na palestra de abertura, o membro do board do PMI, Cecil White, falou sobre um futuro já alcançado por parte das empresas: a agilidade organizacional. Mencionando os resultados obtidos pela versão mais recente da pesquisa Pulse of the Profession® do PMI, realizada em 2015 com a comunidade de gerenciamento de projetos, White mostrou que uma organização ágil deve estar baseada na flexibilidade de seu negócio e de seus membros para responder rapidamente às mudanças. 
 
A apresentação de White foi uma guia de como as organizações podem usar a agilidade para aproveitar a geração de valor que os projetos trazem para seus negócios, desenvolvendo uma comunicação aberta e uma liderança receptiva às inovações. Implementar boas práticas de gerenciamento de mudanças, de gerenciamento de risco e padronizar práticas de portfólio, programas e projetos são os três passos para alcançar a agilidade organizacional. Mas isso só será realidade se houver uma mudança cultural. "Pensar e agir de forma ágil é necessário diante do cenário mais volátil e de projetos disruptivos", ressaltou o palestrante, que trouxe dados que mostraram que o aumento de agilidade eleva o sucesso das organizações, contribui para o incremento de lucro e melhora a entrega dos colaboradores.  
 
A programação teve andamento com a palestra do Coronel Ary Filho Pelegrino Filho, que  mostrou como o Exército brasileiro redesenhou seu Portfólio de Estratégico. A instituição transformou parte dos objetivos estratégicos em programas e projetos para aquilo, com a finalidade de transformar em realidade, e com agilidade, o que foi idealizado por uma instituição desta magnitude. O palestrante falou sobre os sete projetos que estão evoluindo para programas e são considerados indutores da transformação do Exército. 
 
O primeiro painel incluído na programação do Congresso foi a atração que ocorreu em paralelo. Ele foi voltado aos Artigos Científicos. Essa foi uma forma inovadora de apresentar aos participantes do evento os trabalhos acadêmicos ganhadores do concurso realizado ao longo do ano. Além de uma explanação rápida sobre o tema do artigo, houve um debate entre os autores e voluntários do PMIRS. Os temas vencedores e seus autores são: Gerenciamento de Valor Agregado: Desempenho da Aplicação da Técnica em Empreendimentos Imobiliários, de Lucia Castro Saldanha e Karina Bertotto Barth; Software Crowndsourcing: Desafios e Oportunidades para o Gerenciamento de Projetos, de Graziela Basílio Pereira e Rafael Prikladnicki; Ciclo de Melhoria Continua no Gerenciamento de Projetos através de Programas de Reuniões no Canteiro de Obras, de Nicolas Vanelli Costa.

A primeira mamhã de palestras foi encerrada com outra inovação desta edição: o quadro Smart Talks. A atração contou com a apresentação de três cases empresariais, com abordagens diferentes e de forma ágil, inspirados nos TEDs. Os temas abordados foram: como o gerenciamento de projetos pode contribuir para a educação; projetos disruptivos de Tecnologia da Informação e Desenvolvendo Projetos em Conjunto
16 de novembro de 2016