Futuro e agilidade continuaram dando o tom da primeira tarde de palestras do 13o Congresso de Gerenciamento de Projetos, que acontece de 16 e 18/11, no Centro de Eventos da PUCRS em Porto Alegre. A tarde começou com os painéis sobre Projetos no Setor Público e com os CIOs. O mediador do Painel Projetos no Setor Público, Alessandro Machado, Gerente de Políticas Públicas do SebraeRS, levantou a questão de que se é possível manter a esperança sobre a melhoria de gestão dos Estados e Municípios brasileiros. Na visão dos painelistas é possível. Eles mostraram que o País tem avançado etapas importantes.
 
O presidente do Movimento Brasil Competitivo (MBC), Cláudio Gastal, trouxe uma radiografia dos desafios das gestões estaduais realizada pela instituição, mostrando e comparando nove indicadores, avaliados por Estado. De maneira geral eles mostraram avanços de diversas formas. Apesar deles, Gastal ressaltou que ainda é um desafio para o Brasil mostrar melhorias, inclusive em relação a nações vizinhas, e que o grande problema do setor público continua sendo a governança. "A grande carência no setor público é a capacidade de pensar no longo prazo. Pensar em um rumo que transite pelos governos. Ou seja, melhorar a governança do Estado é ter uma visão estratégica".
 
O Secretário Geral do Governo do Estado, Carlos Búrigo, compartilhou medidas estruturais que o Governo está fazendo, inclusive, diante de um cenário, que já é antigo, mas se agravou ainda mais, de retração de receitas. Entre as medias estão mudanças estruturais e a adoção de um novo modelo de gestão, que tem o objetivo de prover maior eficiência na aplicação de recursos, a ação antecipada frente a problemas, focar em soluções, promover soluções de transversalidade e estruturar processos contínuos, usando a implantação de uma cultura. Búrigo destacou que o esforço de Governança e Gestão do Governo está focado em três pilares: um mapa estratégico, uma rede de governança e acordo de resultados. 
 
A implantação de um modelo gestão também foi tema da apresentação da Secretária do Planejamento e Orçamento da Prefeitura de Porto Alegre, Izabel Matte. Funcionária de carreira há 12 anos, a Secretária destacou alguns elementos necessários à implantação desse modelo: a preparação das lideranças, inclusive políticas, a capacitação das pessoas, a preparação de uma estrutura organizacional de gestão e gerenciamento e de tecnologia. Entre os desafios de se trabalhar com inovações como essas na gestão público, Izabel apontou o ambiente político, a burocracia legalista, a complexidade e diversidade de serviços.
 
O Painel CIOs, que contou com a participação de Marcelo Mezzomo, da Tiket Log, Felipe Soares, da AGCO, e Marcelo Pereira, da LAB308, debateu o futuro da tecnologia e como o gerenciamento de projetos está conduzindo, o que virá pela frente neste futuro que está sendo construído pela TI. Ficou evidente que o papel do CIO é ser visionário para conduzir a TI rumo ao futuro. Foi discutido a forma veloz que a tecnologia evolui e permite que as pessoas façam coisas cada vez maiores e mais complexas, nunca antes imaginadas. A conclusão é que o futuro da tecnologia irá aproximar áreas de negócio e áreas de tecnologia para gerar valor para os projetos da organização e alavancando as habilidades de negócio dos gerentes de projetos. 
 
A programação de palestras continuou enfatizando que os projetos precisam, cada vez mais e de forma mais rápida, entregar valor rapidamente para garantir que a organização não pare no tempo e seus projetos deixem de fazer sentido. Essa constatação foi destacada pelos colaboradores da Gerdau, Gustavo França e Télcio Cardoso, que falaram sobre agilidade e transformação cultural na empresa. Discutido o quanto os modelos de negócios estão mudando e como a Gerdau se desafia a fazer sempre diferente para garantir a flexibilidade e as respostas rápidas que o mercado exige. Os palestrantes mostraram como é essencial uma atitude empreendedora para a construção de modelos de negócios customizados para geração de caixa autossustentável, e destacaram a necessidade de líderes globais com equipes de alto desempenho, sendo globalmente competitivo em custos e produtividade.
 
O especialista Luiz Cláudio Parzianello seguiu a programação falando sobre o Lean Business Analysis, que busca expressar a ideia de mudar e simplificar a forma como os resultados são pensados. A finalidade é gerar valor para as organizações, construindo com qualidade desde o início e evitando etapas desnecessárias que não agregam valor. Parzianello lembrou que, no mundo dos negócios, somente o que está em jogo são resultados. Porém, resultados passam por pessoas que expressam o mais diversos tipos comportamentos que irão impactar cada pequeno resultado. Por isso, por mais complexo que uma cultura organizacional seja, são as pessoas que formam essa cultura e o palestrante coloca durante sua palestra as pessoas no centro de tudo para o que acontece dentro das organizações. O consultou citou três fatores que contribuem para o melhor desempenho e a satisfação pessoal dos profissionais do conhecimento: propósito, maestria e autonomia. "De forma direta, nada acontece nos negócios e projetos sem as pessoas. Elas são o centro e a base do sucesso e da geração de valor, e o valor é visto novamente por percepção humana", destacou.

O caso real do MotoRide Latin America foi a palestra que encerrou a primeira tarde do evento.
Os gerentes de projetos contaram sobre viagens intracontinentais que são concebidas, planejadas e executadas através da gestão de projetos Depois de uma entrada inusitada com suas motos, Thiago Ayres e Virgílio Macedo, apresentaram lições gerenciais valiosas como gestão de stakeholders, riscos, liderança, equipe, comunicação, oportunidades, entre outras, extraídas através desta história.
16 de novembro de 2016